sexta-feira, 12 de março de 2010

A Balada do Triste Fim


Conto de JM Trevisan

Citada várias vezes como a principal obra do maior Bardo de Arton. Uma história como essa não deve ser esquecida no tempo e deve ser contada e recontada e recontada......

- Bobo! - gritou o rei, fazendo estremecer as paredes e janelas do castelo, já agitadas pela furiosa tempestade. - Onde está você, servo imprestável?

O bobo aproximou-se sem ser ouvido, rodopiando como as borboletas dos bosques, dando saltos e piruetas, e parou de fronte ao rei, fazendo uma debochada reverência.

- Cá estou meu senhor. O que desejas de seu pobre servo? Que espante mais uma vez as fadas que lhe atormentam o sono com suas traquinagens?

- Deixe de bobagem! Mais respeito diante do seu rei!

- Respeito é como o eco: recebes somente o que deu em troca... - disse o Bobo - mas conte-me o que queres meu mestre, pois até o tempo de um bobo é precioso. Nem todos no castelo podem sentar-se à toa o dia todo como a velha ave que ocupa o ninho real...

- Verme insolente... Quero que me contes uma história.

- Mas meu Rei... Não lhe acabei de lhe contar uma história ainda há pouco? Esqueces disso como esqueces de seus deveres ao deitar-se ao lado da rainha?

- Não, servo bastardo! Mas quando a história não é digna do ouvinte o conhecimento se dissolve tão rápido quanto a neve no sol.

- E quando o ouvinte não é digno da história é ela que se faz de rogada e ignora-o, como a dama ao passar pelo mendigo.

- Já chega! - respondeu o rei, finalmente parecendo nervoso - Conte-me logo uma historia antes que eu mande servos mais competentes açoita-lo durante toda a noite. Sua presença não me faria falta, uma vez que de bobos o mundo esta cheio...

- É fato! Há mais bobos que se pensa: Uns usam roupas coloridas, outros usam uma coroa na cabeça...

O bobo deu mais um de seus rodopios e sentou-se de pernas cruzadas. Lá fora um raio caiu num carvalho.

- Muito bem meu senhor. Vou lhe contar uma historia. Um conto de amores e desencontros, de dor e de ironia, pois não são estes os sentimentos que movem o homem?

E Foi esta a historia que o bobo contou...

Há muito tempo atrás, antes das divisões da terra, em que o mais velhos dos nossos monarcas nem havia sido concebido, numa época em que a honra e a palavra de um homem valia mais que o tilintar das moedas, tempo em que as mulheres eram meretrizes, Viveu um homem.

Não era um homem qualquer, embora o mundo esteja infectado com milhares deles, este era um verdadeiro homem. Justo, Honrado e Leal. Seu nome era Thom Galahann.

Era um cavaleiro da corte, de um reino cuja historia doentia o tempo fez o favor de esquecer, pois são poucos que ficam gravados na pedra dos mitos, que é carregada de geração em geração, pela boca desdentadas dos antigos.

Lorde Thom era o preferido do rei, tinha pela corte como o mais valoroso cavaleiro que jamais surgiu no reino. Portanto aquele rapaz de vinte cinco primaveras era o guerreiro mais valente e nobre daquela região. Além de tudo era belo, mas isto era de pouca importância. Mesmo participando de inúmeras batalhas, o jovem não ostentava nenhuma cicatriz.

Durante as batalhas e cerimônias reais usava uma armadura prateada, e um manto branco, símbolo de pureza, pois dizem que jamais tomou uma mulher, nem mesmo nas guerras, onde era comum toma-las contra sua vontade.

Tudo isso, como todas as coisas da terra, pois é a lei da natureza, tinha um motivo claro e simples: Seu amor por Lady Danya.

A adorável filha do rei, donzela e princesa a qual todos cortejavam, mesmo sem saber se as lendas de sua beleza eram verdadeiras ou não.

Pois sim, por que diziam as lendas da região que o rosto da princesa só seria revelado a todos só depois de seu casamento, antes disso só o rei a poderia ver.

Mas era permitido aos dois futuros amantes trocassem cartas até que se completem as 16 primaveras da princesa, quando se casariam. Dizia-se que maldição terrível cairia sobre quem violasse tal lei, mas qual seria ninguém sabe.

Pois ninguém teve coragem de quebrá-la.

Pelos designas do rei, estava destinado à Lorde Thom o direito de desposar Lady Danya. Era ela sua prometida e, mesmo sem jamais ter visto sua face, o cavaleiro dedicava todo o espaço que tinha em seu coração ao amor que sentia pela princesa.

Suas cartas apaixonadas era o único consolo que dispunha para aliviar a dor da distancia que os separava. Estavam próximos, mas ao mesmo tempo tão distante quanto ilhas divididas pelo oceano.

Escrevia-lhe todos os dias com palavras que expressavam uma paixão tão palpável que se podia senti-la no ar.

Ela por sua vez retribua seu amor em igual medida. Suspirava pelos cantos do castelo, com o rosto escondido pelo grosso véu, para que os criados não vissem seu rosto. Chorava de dor ao receber as cartas, pois sabia que por mais forte amor que sentia pelo cavaleiro, eles não poderiam se ver até ela completar a idade para os ritos do casamento. Ela Também nunca havia o visto, mas ouvia entusiasmada os relatos de sua criada sobre os feitos de seu esposo.

- Eram dez homens, minha rainha - Contava a criada - todos beberrões freqüentadores de tabernas. Um deles disse injurias o seu respeito, que a educação me impede repetir. Mas o valente cavaleiro os enfrentou e fez todos eles jurarem perante o rei que jamais colocariam o nome de mileidy em suas bocas imundas.

Lady Danya olhava radiante sua criada. Era como estivesse vendo seu amado brandindo a espada a sua frente. Tinha vontade de pular até que o cansaço a derruba-se. Se aquilo era amor, então estava perdidamente apaixonada.

E distante dali, um jovem de armadura prateada sussurrava ao bosque...

-Que amante serei eu se não estiver disposto a lutar contra todas as regras desse reino somente para ver o rosto da dona de meu coração? Que serei eu se recuar diante de uma maldição feitas pelos olhos que não amam mais? Que essa maldição recaia sobre estes ombros, se for preciso! Mas como passar pelos guardas reais que fazem de meu amor prisioneira?

- É fácil, cavaleiro - disse uma voz doce de traz de uma arvore - Mais do que imaginas...

Lorde Thom virou-se assustado em direção da voz empunhando sua espada, pensando tratar-se de um demônio da floresta, a qual muitos já enfrentou, mas ao se virar o que viu foi uma diminuta criança, com cabelos cor de fogo e olhos negros brilhantes. Um sorriso faceiro dançava sobre seus lábios enquanto olhava o cavaleiro.

- Qual seu nome, criança?

- Meu nome? - perguntou a menina que começava tímidos passos de dança - Meu nome está perdido há tempos, escondido sob a terra debaixo de uma folha seca a qual se deita dragões verdes, dentro de uma caverna de vidro numa ilha submersa. Mas se quiser doce cavalheiro, pode me chamar de Illyana...

- Então me responda sem demora, pequena: o que fazes ouvindo minhas magoas?

- Ora Lorde Thom, se adentrassem sua casa arrombando a porta da frente, sem licença ou benção, haveria você de deixar o inoportuno mais confortável?

- Então o bosque é tua morada...

- Sim, Minha mãe é a lua prateada e meu pai é o radiante sol. É aqui que vivo doce cavaleiro, e de agora em diante és meu convidado... Pois como poderia eu recusar a visita de um jovem tão apaixonado?

-Que sabes de minha paixão, pequena?

- Sei o que é para ser conhecido e o que está para acontecer. É meu dom cavaleiro. Tudo sei a respeito de seu amor, Lord Thom, e a dor que corroe teu coração por não ver o semblante da tua amada...

- Então sabes do meu infortúnio! Amar sem tocar ou ser tocado! Pode-se eu ter assas para voar por cima das muralhas, entrar sorrateiro em seu quarto e tela ao menos uma vez...

A menina sorriu leve e doce, dando uma pirueta em volta do cavaleiro.

-É isso mesmo que queres meu nobre? Não seria melhor aquietar teu coração?

-Ah! Como aquietar um coração que bate repetindo um único nome em uníssono, incessantemente?

A menina riu...

- É capaz de me ajudar, doce menina? Pode me dar o poder das sombras e dos pássaros?

- Sim meu Lorde, até mais se necessário for... Mas tudo tem um preço, pois não se nada contra o rio da vida impunemente.

- Doce criança enviada pelos deuses! Nenhum castigo é demasiado quando se trata dessa força chamada Amor. Confio em minha coragem para sobrepujar qualquer pena. Diz-me o que fazer, e acatarei suas ordens como se fossem do próprio rei!

- Que assim seja nobre cavaleiro. Apanha este frasco que trago comigo, beba-o num gole de bom grado, olhando para sua irmã lua, e teus braços se transformaram em assas, tua boca em bico e tuas pernas em garras, mas cuidado cavaleiro! Não tenha em ti outra luz senão a da sua irmã, pois senão tudo esta arruinado!

- Assim o farei, criança, tens minha palavra...

- Não preciso dela, cavaleiro. Sei o que acontece e o que acontecerá. Rezo que não te arrependas...

Sorrindo o cavaleiro partiu.

E a pequena menina num rodopio desapareceu como jamais tivesse existido.

Parou exatamente abaixo da torre onde se situava Lady Danya. Não havia nada além de uma débil luz de uma vela...

- Seria minha amada que permanece acordada mesmo há essas horas? Seria aquela luz a de uma vela ou a luz que a beleza de Lady emana? Com certeza é uma vela, pois se fosse de mileidy, o galo cantaria e acordaria o reino mais cedo, confundindo essa poderosa luz com a do astro-rei.

Olhando firmemente para a lua, protetora dos enamorados, o cavaleiro bradou:

- Bebo o liquido do frasco de bom grado, Para finalmente encontrar meu coração!

E assim a boca se tornou bico, os braços em assas e as pernas em garras.

- Quem está aí? - disse a princesa ao ouvir o tilintar da armadura - Se é um inimigo de meu pai saiba que sei manejar uma espada bem o suficiente para me defender!

- Acalma-se, minha flor... Se algo que não serei é inimigo de nosso rei, teu pai...

- Que tipo de Homem, se não um inimigo ou patife, se dirige a uma princesa com tal intimidade não permitida, se escondendo na sombra de meu quarto de dormir? As flores bem cuidadas são criadas em belos jardins e pertencem somente aqueles que as rega...

- Sem duvida bela dama! De certo já tens quem a regue...

- Sim misterioso invasor. Sou a prometida de um nobre cavaleiro, que as lendas não permitem sequer ver o semblante...

- Acredita em tais lendas, milady?

- Não... Pelos deuses não! Mas não ouso desafialas, e mesmo se quisesse, o castelo é inacessível... Como chegaste até aqui?

- Vim voando cara dama, entrei em teu quarto pela janela como os raios da luz da lua...

- É um feiticeiro! Caminha até a luz aonde possa ver o rosto de meu carrasco...

- Desculpe por tão rudes atos, se não fui até a luz é porque não sou digno de ser visto por tão belos olhos...

- Não galanteies uma mulher prometida...

- Pois se é prometida então estou em meu direito, minha dama. Se teu coração tem dono, então este sou eu. Sou Lorde Thom, cavaleiro do rei e teu futuro esposo...

- Pelos deuses, por que não disse antes? Poupar-me-ia da vergonha de questioná-lo, trata-lo como qualquer um... Deixa ver teu rosto!

- Não, foi-me recomendado que não abandonasse a proteção das sombras...

- Então de que adianta? Veio aqui apenas me torturar? Vá embora, não quero que veja minhas lagrimas...

- Me perdoe minha doce princesa, para o inferno com as recomendações!

E neste momento em que a paixão superava a razão, tal como um vagalhão que se aproxima do vilarejo, Lord Thom seguiu em direção de sua futura esposa.

E ao se aproximar de uma luz que não era a da lua algo aconteceu...

Braços se tornaram assas

Boca se transformou em bico

A perna em garras

E o príncipe em pássaro, para todo o sempre...

E tudo que a jovem princesa pode ver, foram os angustiados olhos azuis daquele que outrora havia sido seu cavaleiro.

A dor que Milady sentia era tão forte que a jovem sequer tinha disposição para se levantar. Após alguns meses, todos no reino lamentavam o desaparecimento do nobre cavaleiro...

- Minha doce empregada, o que hei de fazer se meu amado se foi?

- Se me permites senhorita, ainda é jovem e deve continuar sua vida.

- Sei disso, mas como posso ficar tranqüila? Não minha criada, meu coração já tem dono, descobri tarde demais que amo sua alma e não seu corpo.

- Acho que sei como ajudar-te minha criança. Embora tal ato não agrade o rei de maneira nenhuma...

- Então me diga criada! Alivia o peso que carrego Se assim puder. E que meu pai entenda meus atos como quiser! Não me negue a estrada para a salvação!

- Bem... Se for assim, então faça como teu marido, procure as fadas...

- Fadas? E existem tais criaturas? Eu achei que fossem fruto de minha fértil imaginação...

- Elas são tão reais quantos teus pergaminhos e tua cama, minha criança. Tome minhas vestes e vá ao bosque de coração aberto e alma leve...

Incapaz de desfazer a maldição, Lord Thom permaneceu no bosque. Seus dias eram longos e suas noites monótonas. As assas lha davam a liberdade que o ser humano busca desde o primórdio da criação, mas elas também o impediam de ter a única coisa que queria possuir... Desnecessário dizer que Lord Thom estava humilhado e de alma negra...

- Ah! Ai está Lord Thom, o atormentado cavaleiro que vaga pelo reino em forma emplumada!

- Não é aquela odiosa bruxa que se desfaça de fada para ludibriar-me? Por que fez isso demônio?

- Se procuras um demônio, não és no bosque que vai achá-lo, embora alguns espíritos teimam em vagar por aqui a noite...

- Se não é um demônio, por que condenou o puro amor que sentia ao esquecimento?

- Não fiz nada que não devia ter feito...

- Tem um coração negro criança!

- Meu coração é tão negro quanto ao teu, amargurado cavaleiro. Não sou boa nem má, sou apenas o que me é permitido ser. Desafiaste o rumo dos acontecimentos. O que se dá com a mão esquerda, toma-se com a direita...

- Oh, maldito seja meu coração impaciente, Se houvesse esperado ao menos UMA primavera... Sou mesmo o culpado então, desculpe doce Illyanna...

- Acalme-se, tens uma boa alma e um coração de ouro. Por vezes o coração vem à cabeça e usa a boca para empresar seus sentimentos. Terás tua recompensa, embora não possa corrigir os erros do passado...

A Menina rodopiou e desapareceu, deixando somente folhas que formaram pequeno redemoinho. Na clareira, o cavaleiro em forma de pássaro aguardava olhando o estrelado céu, como se algum momento uma carruagem prateada desse-se trazendo sua redenção...

- Olá meu amado!

O pássaro olhou para traz assustado, seus olhos azuis brilharam por breve momento.

- Milady! Afaste-se pela graça dos céus! Poupe-me da humilhação de me ver nesse estado!

- Acalme-se, meu doce cavaleiro...

- Não sou mais um cavaleiro! Sou apenas um ser emplumado e inútil. Outrora fui um homem e um guerreiro, hoje não sou nada!!!

- Aí é que se engana meu amor, continua sendo o mesmo cavaleiro por quem me apaixonei! Um sapateiro de batina não é um padre, e sim um sapateiro. Do mesmo modo é o corpo. Apesar da tua forma de pássaro, ainda é um homem...

- Milady, tua bondade me surpreende. Se ao menos pudesse por uma só noite ser homem novamente, lhe retribuiria ao dobro o seu amor...

- E assim será meu amor... Saia de seu esconderijo e banha-te na luz da lua, a protetora dos amantes. Ela lhe o tornará homem novamente até que os raios de seu irmão sol lhe toquem. Vá meu amor, se torna homem novamente!

E assim se fez

A ave tornou-se homem, E pela primeira vez os dois puderam se ver frente a frente, sem medo, receio ou subterfúgio. Os olhos de ambos brilharam. O fogo, que ardia forte em seus peitos Tomou conta rapidamente de seus corpos, como incêndio em casa de palha.

Seus corpos se tocaram e, sob a luz da lua, cavaleiro e princesa tiveram sua primeira noite juntos.

Como Homem e Mulher...

- Oh milady! É o sol que vejo despontar no horizonte?São seus raios que cortam o tecido do firmamento como espadas recém afiadas?

- Gostaria de lhe dizer que não, que são fadas brincando com suas magias, mas receio que sim...

- Isso soa como desgraça aos meus ouvidos. E justamente o sol que trás a alegria de um novo dia, Trás a mim somente a angústia da perda.

- Acalme-se meu amor, ninguém vai perder nada nesse dia...

- Ninguém?

- Aqueles que são destinados a estar juntos permanecem unidos até o final dos tempos. Não há nada que os deuses tenham concebido que mude os desígnios da vida. Irá permanecer na forma de pássaro, e terá em mim companheira permanente, graças às bênçãos da Senhora do Bosque, poderei ser tua eternamente, Terá meu abrigo, sentirá meu toque, e toda vez que o vento soprar e passar por mim, poderá ouvir um leve sussurro que dirá para sempre “Eu te amo!”.

E então quando o sol raiou, a princesa sorriu levemente para o cavaleiro em forma de pássaro, e entregou-se ao seu destino.

Pernas se tornaram um longo e forte tronco.

Seus braços longos e firmes ramos

Seus cabelos verdes e vistosas folhas.

E assim permaneceram lá, cavaleiro e princesa, Pássaro e árvore.

Durante os anos e séculos seguintes, o lugar permaneceu sagrado, como um templo para os amantes, diziam que o canto do pássaro e as frutas da árvore eram com a flecha do cupido, que desencadeavam amores soterrados dentro de nós.

E conforme contavam os bardos nas tabernas, diz-se que, nas noites em que a lua se encontra alta no céu e o silêncio impera em todo bosque, pode-se ouvir o doloroso canto de um pássaro seguido do doce sussurro do vento entre os ramos da grande árvore.

E juntos os dois complementam-se formando uma breve e bela declaração.

Uma declaração de amor eterno...

Histórias como estas merecem ser contadas.

Um comentário:

Qual a sua opinião? De um Plus nessa postagem!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...