quarta-feira, 22 de julho de 2009

Mistério - 8 - O Continente Perdido de Atlântida

ATLÂNTIDA
O Continente Perdido


Atlântida ainda não foi descoberta, mas a mina de ouro do continente perdido já é conhecida. Mais de 25 mil livros sobre a localização da civilização perdida foram editados até agora, rendendo vários milhões de dólares para os seus autores. Desde a antiga Grécia, tem gente lucrando com a polêmica em torno do mistério. Os antigos egípcios conheciam a existência de uma esplêndida civilização que habitava um continente no meio do oceano. Este povo seriam os primeiros navegadores, comerciantes e colonizadores de suas terras.

O conhecimento atlante estava diretamente relacionado com as forças da natureza e continham aspectos energéticos (metafísicos e radiônicos) e até espirituais unidos numa só ciência, conceito praticamente impossível de ser aceito pela ciência atual. Mantinham contato com culturas provenientes de várias regiões do espaço e por isso acredita-se que a tecnologia de construção e manipulação de energias das estruturas piramidais seja de origem extraterrestre.

Segundo narrativa de Platão, o continente estaria localizado além das Colunas de Hércules (Estreito de Gibraltar), e seria maior que a Líbia e a África juntas. Conforme a lenda, nos primeiros tempos, os deuses fizeram entre si a partilha do mundo e Atlântida passou a pertencer à Poseidon. Poseidon, que viveu na ilha por longo tempo em companhia da jovem Clito, dividiu a região em dez partes, cedendo-as a cada um dos dez filhos. Todos os reis de Atlântida obedeciam ao irmão Atlas, filho mais velho de Poseidon. Os soberanos da misteriosa ilha, explorando suas riquezas, como o ferro, o cobre e o ouro, fundaram grandes e ricas cidades, alcançando progresso e grande poderio. Mas fracassaram na sua tentativa de dominar os atenienses, que os repeliram com um poderoso exército.

Ainda segundo a narrativa de Platão, baseada em informações obtidas de sacerdotes egípcios, os atlantes entregaram-se aos vícios e perverssões, o que, atraindo a cólera de Zeus (deus do céu)', causou sua destruição há 12.000 anos, com grandes maremotos e tremores de terra. Algumas teorias dizem existir laços orgânicos entre maias e atlantes: após a catástrofe de Atlântida, os maias colonizaram o lucatã, assim como os outros países da América Central e que é permitido ver nos monumentos do lucatã marcas do estilo arquitetónico dos atlantes. Outros acreditam que as culturas egípcias e mexicanas teriam sido fundadas pelos atlântis, baseados na similaridade das culturas.

O premonitivo Edgar Cayce previu que Atlântida reapareceria nos anos 60, em 1969 mergulhadores britânicos descobriram duas estradas de pedra paralelas na costa de Bimini, Bahamas...mais especulações...Estaremos constantemente acrescentando novas teorias e descobertas que tentem solucionar este mistério.
Pesquisador diz ter encontrado a Atlântida

Teorias e hipóteses sobre sua existência

Há a versão, como a defendida pelo cientista brasileiro Arysio Nunes dos Santos, segundo a qual Atlântida seria nada mais do que o nome grego para uma civilização ancestral, que teria sido descrita com diferentes nomes nas mais diversas culturas. Para Arysio, a Atlântida supostamente real ficaria próxima à Indonésia e diversos povos do mundo, como os gregos, hindus e tupis, seriam descendentes dos atlantes. Ainda, segundo essa teoria, diversas descobertas científicas como a criação de determinadas culturas agrícolas e do cavalo, seriam tributárias dos atlantes; e a causa da submersão da cidade/continente e do dilúvio teriam sido devidas a uma bomba atômica

Teoria de Tântalis

Alguns pesquisadores acreditam que a Atlântida, nome derivado do deus Atlas, é uma releitura grega da antiga cidade, também perdida, de Tântalis, nome derivado do deus Tântalo. A lenda de Tântalo seria essencialmente a mesma de Tântlis, sendo tântalo uma releitura lídia de Atlas. A Atlântida então, segundo essa versão, nada mais seria que a versão grega da antiga capital da Lídia, Tântalis, conhecida também como Sipylus, que se localizava nas terras de Arzawa, situada na costa ocidental da Anatólia.

Segundo escritos antigos e autores clássicos a cidade antiga de Tântalis sucumbiu, devido a um grande terremoto que despedaçou o monte Sipylus, afundando, após isso, nas águas que brotaram de Yarikkaya, uma ravina profunda, transformando-se no lago Saloe. Durante o século XX, o lago Saloe, último vestígio de Tântalis, foi esvaziado sem cerimônia para abrir mais espaço para a agricultura.

Teoria da Antártida

Na década de 1960, o porfessor Charles Hapgood, tentando entender como ocorreram as eras glaciais, propôs a teoria de que o gelo que se acumula nas calotas polares provocaria um peso suficiente para que o polo terrestre se deslocasse sobre a superfície da Terra, carregando outro continente para o polo e causando uma era glacial nesse lugar. Segundo essa teoria, uma parte dos Estados Unidos já teria se tornado o pólo norte e a Antártida já teria se localizado mais acima no Oceano Atlântico, entre a Argentina e a África. Se valendo dessa teoria, o polêmico jornalista britânico Graham Hancock propôs que o continente perdido de Atlântida seria, nada mais, do que a Antártida antes do último período glacial, quando estaria mais alta no Oceâno Atlântico, e as cidades Atlântidas, por sua vez, estariam em baixo de grossa camada de gelo, tornando impossível sua investigação arqueológica.

Essa teoria seria ainda confirmada por uma mapa, o mapa dos antigos reis dos mares, feito por Piri Reis no século XVI, baseado em mapas antigos, que mostra um estranho formato para a América do Sul, que seria não a América do Sul, mas sim a Antártida na sua localização não polar.

Essa teoria é aceita por alguns, porém não pelos estudiosos atuais que afirmam que o peso dos pólos não seria suficientemente grande para fazer mover os continentes na superfície da Terra, e, ainda, descobriram que o mapa de Piri Reis é realmente o mapa da América do Sul, porém, tendo como referência a cidade do Cairo, o que deu um formato diferente ao continente. Ainda, fotos de satélite tiradas a partir da cidade do Cairo, comprovaram que o formato da América do Sul, vista do Cairo, é como o mostrado no mapa Outro problema encontrado com esse mapa é que sem o gelo a Antártida teria um formato diferente do que o mostrado, já que o nível da água subiria e deixaria aquele continente com várias ilhas.

Teoria extra-terrestre

Uma das mais polêmicas teorias sobre a Atlântida foi proposta recentemente pelo pesquisador Prof. Ezra Floid.

Partindo do desenho de cidade circular descrito por Platão, Floid propõe que Atlântida se tratava de uma gigantesca nave espacial, um disco-voador movido à hidrogênio, hidromagnetismo, com uma usina central de Hidro-Forças, chamada de Templo de Poseidon: um imenso OVNI descrito por muitas culturas como "A ilha voadora" (citada em Viagens de Gulliver), relacionada com a Jerusalém Celestial descrita na Bíblia, à Purana Hindu que desce do Céu, o Disco Solar dos Astecas, Maias, Incas e egípcios. Sendo Atlântida uma missão colonizadora, ela teria estado em muitos pontos da Terra, pois se locomovia e se instalava em regiões; este teria sido o motivo pelo qual sua presença ora é imaginada no Mediterrâneo, ora na Indonésia, ora no Atlântico, nos pólos e nos Andes: Atlântida seria a mesma nave descrita na epopéia dos Sumérios. S

egundo esta teoria inovadora do professor Ezra Floid, Atlântida não teria submergido catastroficamente, mas intencionalmente, como parte do projeto colonizador que seu povo realizava no planeta. Após permanecer algum tempo no fundo do mar como cidade submarina, o disco-voador atlante teria usado também a hidroenergia de emersão para lançar-se diretamente no espaço sideral, provocando com sua massa e seu arranque poderoso uma enorme onda circular de tsunami no oceano onde estaria oculta. Os sobreviventes deste tsunami, após a tragédia, teriam julgado que Atlântida havia afundado. No entanto, os atlantes apenas teriam voltado para seu Sistema natal.

Hipóteses sobre as localizações geográficas

Há diversas correntes de teóricos sobre onde se situaria Atlântida, e sobre quem teria sido seus habitantes. A lenda que postula Atlântida, Lemúria e Mu como continentes perdidos, ocupados por diferentes raças humanas, ainda encontra bastante aceitação popular, sobretudo no meio esotérico. (Não confundir com os antigos continentes que, de acordo com a teoria da tectónica de placas existiram durante a história da Terra, como a Pangéia e o Sahul).

Alguns teóricos sugerem que Atlântida seria uma ilha sobre a Dorsal oceânica, que - no caso de não ser hoje parte dos Açores, Madeira, Canárias ou Cabo Verde - teria sido destruída por movimentos bruscos da crosta terrestre naquele local. Essa teoria baseia-se em supostas coincidências, como a construção de templos em forma de pirâmide na América, semelhantes às pirâmides do Egito, fato que poderia ser explicado com a existência de um povo no meio do oceano que separa estas civilizações, suficientemente avançado tecnologicamente para navegar à África e à América para dividir seus conhecimentos. Esta posição geográfica explicaria a ausência concreta de vestígios arqueológicos sobre este povo.
Locais já cogitados para a localização de Atlântida.

Alguns estudiosos dos escritos de Platão acreditam que o continente de Atlântida seria na realidade a própria América, e seu povo culturalmente avançado e cobertos de riquezas seria ou o povo Chavín, da Cordilheira dos Andes, ou os olmecas da América Central, cujo uso de ouro e pedras preciosas é confirmado pelos registros arqueológicos. Terremotos, comuns nestas regiões, poderiam ter dado fim a estas culturas, ou pelo menos poderiam tê-las abalado de forma violenta por um período de tempo. Através de diversos estudos, alguns estudiosos chegaram a conclusão que Tiwanaku, localizada no altiplano boliviano, seria a antiga Atlântida. Essa civilização teria existido de 17.000 a.C. a 12.000 a.C., em uma época que a região era navegável. Foram encontrados portos de embarcações em Tiwanaku, faltando escavar 97,5% do local.

Para alguns arqueólogos e historiadores, Atlântida poderia ser uma mitificação da cultura minóica, que floresceu na ilha de Creta até o final do século XVI a.C.. Os ancestrais dos gregos, os micênicos, tiveram, no início de seu desenvolvimento na Península Balcânica, contato com essa civilização, culturalmente e tecnologicamente muito avançada. Com os minóicos, os micênicos aprenderam arquitetura, navegação e o cultivo de oliveiras, elementos vitais da cultura helênica posterior. No entanto, dois fortes terremotos e maremotos no Mar Egeu solaparam as cidades e os portos minóicos, e a civilização de Creta rapidamente desapareceu. É possível que as histórias sobre este povo tenham ganhado proporções míticas ao longo dos séculos, culminando com o conto de Platão.

Uma formulação moderna da história da Atlântida e dos atlantes foi feita por Helena Petrovna Blavatsky, fundadora da Teosofia. Em seu principal livro, A Doutrina Secreta, ela descreve em detalhes a raça atlante, seu continente e sua cultura, ciência e religião[6].

Existem alguns cientistas que remetem a localização da Atlântida a um local sob a superfície da Antártica.

As Provas Geológicas

Há 100 milhões de anos, a geografia do planeta era bem diferente da atual. As massas continentais encontravam-se unidas, formando um grande continente, cercado pelo mar. Este grande continente conhecido como Pangéia, desfez-se gradualmente ao longo das eras geológicas, até atingir a conformação atual. Este fato é reconhecido pela ciência.

Este processo de separação, se se deu por violentos movimentos tectônicos, às vezes acompanhados de cataclismas violentos, que se prolongaram por milhões de anos. Neste período de deslocamento constante das placas tectônicas, se deram formações de cordilheiras, bem como o desaparecimento de vastas áreas, que submergiram nos oceanos. O local onde os dois grandes blocos continentais se desmembraram (Américas a Oeste - Europa, Ásia e Austrália a Leste) encontra-se demarcada por uma espécie de cordilheira submarina chamada Dorsal Meso-Atlântica.

A Dorsal Meso-Atlântica apresenta inúmeras ramificações, que praticamente chegam a ligar os dois blocos continentais. Ao longo destas colinas submarinas, encontra-se uma enormidade de ilhas vulcânicas que vão de pólo a pólo. Ao norte, em plena região ártica temos as ilhas Pássaros, Jan Mayen e Islândia. Mais ao sul, pouco acima do trópico de câncer, encontramos o arquipélago de Açores, Ilha da Madeira e Cabo verde. Mais ao sul temos Santa Helena e outras menores. Próximo da Antártida destacamos as ilhas de Érebo, Martinica. Desta forma, Atlântida pode ter se constituído numa destas formações marcadas por intenso vulcanismo.

A tese da separação dos continentes encontra um forte respaldo na perfeita combinação da costa brasileira com a costa ocidental da África, que se encaixam como num quebra-cabeças, no entanto, no extremo norte, as peças deste quebra-cabeças não se encaixam com clareza. Isto pode ser percebido nos litorais da Escandinávia, Islândia, Groelândia e norte do Canadá. Entre a costa Norte-Americana e a Europa e norte da África, existe um grande vazio, como se faltasse uma peça do quebra - cabeças. Teria então este vazio relação com o Continente da Atlântida, desaparecido no meio do Oceano?



As Eras Glaciais e a Atlântida

Denominam-se eras glaciais os períodos em que grandes regiões do planeta estiveram sob um processo contínuo de glaciações, fenômeno este resultante de causas múltiplas e complexas: movimentos orbitais da terra, continentalidade dos pólos, elevação de terras, circulações oceânicas, mudanças na composição da atmosfera e outras.

Ocorreram na história do planeta diversas fases deste fenômeno, desde o período pré-cambriano até bem recentemente. No entanto, dado às dificuldades, a pesquisa científica só conseguiu definir de forma minuciosa a última grande glaciação, que ocorreu durante o pleistoceno.

Uma glaciação inicia-se quando, após um rigoroso inverno, a neve acumulada não se derrete totalmente com a chegada do verão, sobrevivendo até o outro inverno na forma de gelo. Este fato resfria a região e num acúmulo sucessivo de milhares de anos forma-se uma calota de gelo, cada vez mais resistente criando impactos de resfriamento cada vez maiores.

Há cerca de 80.000 anos, iniciou-se o último grande avanço das geleiras na região norte do planeta, tanto na Europa como na América do Norte, sendo que o fim desta última glaciação deve ter ocorrido entre 20.000 a 10.000 anos atrás. O fim da Glaciação implica na subida do nível dos Oceanos. Esta última é a data fatídica da Submersão da Atlântida.

Pesquisador Afirma que encontrou Atlântida


Um pesquisador norte-americano alegou ter encontrado a civilização perdida de Atlântida nas águas profundas perto do Chipre. Sua teoria acrescenta folêgo ao mistério que tem instigado pesquisadores há séculos.

Robert Sarmast afirma que uma bacia mediterrânea foi inundada em um dilúvio por volta de 9 mil anos antes de Cristo, o que fez afundar um pedaço de terra retangular que ele acredita ser Atlântida. "Definitivamente, nós a encontramos", disse Sarmast, que comandou um grupo de pesquisados a 80 quilômetros da costa sudeste do Chipre.

Um rastreamento sonar em águas profundas indicou estruturas artificiais em uma colina submersa, ele disse. Porém, ainda é preciso explorar mais o local. "Nós ainda não podemos apresentar provas reais. Os artefatos estão enterrados sob muitos metros de sedimentos, mas outras evidências são irrefutáveis."
Fonte Mistérios antigos


Gancho de Aventura

Só com as hipóteses apresentadas acima da pra se criar uma campanha inteira só com a sua investigação, porem vou colocar mais um gancho.

Os personagens jogadores são contratados para se infiltrar neste grupo de investigadores para ir nessa expedição, e após o rastreamento sonar feito acima, não foi divulgado mas um pequeno grupo foi em um submarino explorar as ruínas, e os PCs foram convocados para ir, chegando la a cidade se transformou em uma imensa masmorra submersa, que pode conter perigos inimagináveis, imaginem uma masmorra milenar, pode existir até um ecossistema inteiramente diferente por lá.

Fazer os personagens jogadores aceitar essa missão não vai ser difícil, porque Atlantis sempre foi considerada como se tivesse muitas riquezas.

Alguns mapas de masmorras podem ser encontrados aqui.

Kits de personagem pra você jogar essa aventura.

Jornalista

2 comentários:

Qual a sua opinião? De um Plus nessa postagem!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...